Mapa de Ruído Urbano Centro SP

O Mapa de Ruído Centro SP foi elaborado para a área Operação Urbana Centro abrangendo o Centro Velho, Novo e regiões históricas da cidade de São Paulo – área de aproximadamente 6,6 Km2. A região foi escolhida por estar no coração de São Paulo e ser área indicada como prioritária para o início do mapeamento na Lei 16.499 Mapa de Ruído Urbano.

Para elaboração do mapa foram seguidas as diretrizes dos estudos realizados no Mapa Piloto e do Guia de boas práticas europeu. A metodologia CNOSSOS foi adotada e identificada como mais adequada à realidade brasileira. Os dados de entrada do modelo basearam-se no fluxo de veículos – divididos em leves, pesados médios, pesados e motos – na velocidade das vias e no tipo de pavimento.

A calibração do mapa foi 62 pontos de medição, entre eles, uma parte da área do minhocão (entre a praça Roosevelt e o Largo do Arouche) envolvendo 10 empresas participantes do GT Mapa de Ruído da Proacústica: 01db Acoem, Acoustic Control, Acústica & Sônica, Akkerman Alcoragi Acústica Ideal, Atenua Som, Bracústica, Ecoa Consultoria Acústica, Giner Sound Vibration, Grom Acústica e Vibração e Harmonia Acústica.

O centro, que possui muitas avenidas, elevados, cruzamentos, túneis, passarelas, é um cenário acusticamente complexo para modelagem do mapa. No Mapa de Ruído Centro SP, como fontes sonoras foram consideradas, além do tráfego rodoviário, os metrôs, terminais de ônibus e áreas de circulação de pedestres para as situações do dia e da noite.

(*Good Practice Guide for Stategic Noise Mapping and the Production of Associated Data on Noise Exposure – European Commission Working Group Assessment of Exposure to Noise (WG-AEN) – Aug/2007)

Mapa de Ruído - Dia

Google Earth pode ser baixado em: https://www.google.com.br/earth/download/gep/agree.html

Via Elevado Presidente João Goulart | Minhocão

A Associação Brasileira Para a Qualidade Acústica – ProAcústica, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano – SMDU, realizou um estudo comparativo de como seria o cenário acústico das residências do Minhocão na ausência do tráfego de veículos que circulam diariamente pelo viaduto.

O estudo apresentado é uma estimativa do potencial de redução de ruído do elevado caso o Minhocão estivesse inativo, chegando a atingir até 10 dB em algumas fachadas, o que em termos de sensação humana, seria equivalente  a reduzir pela metade a sensação de volume sonoro.

A iniciativa faz parte do Mapa de Ruído Urbano da Operação Urbana Centro – o qual contém o trecho do Minhocão entre a Praça Roosevelt e o Largo do arouche – lançado no dia 24/04/19, no Dia Internacional de Concientização sobre o Ruído (INAD 2019).

O estudo, que foi realizado a partir de medições e simulações acústicas por modelagem computacional, apresenta nos edifícios níveis sonoros entre 69 e 76 dB com o viaduto em operação, enquanto que interditado ao tráfego, apenas com o fluxo existente na Rua Amaral Gurgel, o nível sonoro pode cair até valores entre 59 e 70 dB, sendo que os resultados finais dependerão das estratégias de redução do ruído adotadas[1].

Existem técnicas como tratamentos absorventes ou fechamentos acústicos que podem contribuir a reduzir o ruído remanescente da parte inferior.  É essencial que planos de ação sejam executados para mitigar o ruído. Algumas possibilidades seriam: a inserção de materiais fonoabsorventes de baixo do Minhocão; a inserção de túneis acústicos; mudança do asfalto da via e proibição buzinas no local.

O emblemático minhocão – Via Elevado Presidente João Goulart – desde quando constuído em 1970 gerou desconforto e reclamações da população no entorno. A presença do elevado, em geral, é um problema sério para os moradores, que já habitavam ali na ocasião da construção. Estima-se que diariamente circulam em média 70 mil veículos pelo Elevado e além da poluição do ar e da falta de privacidade, os moradores dos edifícios vizinhos sofrem com o ruído.

Segundo a OMS, atualmente a poluição sonora é o segundo maior agente poluidor, ficando atrás somente da poluição do ar, sendo que 90% da população nas cidades é de alguma forma impactada pelo ruído de trânsito. Além do desconforto e estresse estudos realizados internacionalmente revelam que a exposição ao ruído pode causar e/ou potencializar doenças como infarto, diabetes, pressão alta etc ao longo do tempo.

Redução sonora nas residências lindeiras ao Elevado (na esquerda: situação de trânsito atual; na direita: situação na ausência do tráfego do Minhocão)
Imagem: Redução sonora nas residências lindeiras ao Elevado (na esquerda: situação de trânsito atual; na direita: situação na ausência do tráfego do Minhocão)
Exemplo de redução sonora analisando a propagação sonora na vertical  (na esquerda: situação de trânsito atual; na direita: situação na ausência do tráfego do Minhocão).
Imagem: Exemplo de redução sonora analisando a propagação sonora na vertical
(na esquerda: situação de trânsito atual; na direita: situação na ausência do tráfego do Minhocão).

Ouça os áudios para ter uma ideia de como seria uma redução de 10 dB do ruído do Minhocão.

Gravação original

Gravação reduzida de 10 dB

Agradecimentos da ProAcústica às empresas parceiras na elaboração do Mapa de Ruído Urbano Centro SP:

Empresas parceiras - Mapa de Ruído Centro SP - 2019

[1] Os valores aqui apresentados representam o nível de pressão sonora para o período diurno (Lday), com ponderação em A.